Blog

Como a Cannabis pode ajudar em tratamentos odontológicos

Nesta semana foi comemorado no Brasil o dia do dentista, em 25 de outubro. Essa data foi escolhida porque no mesmo dia em 1884 foi assinado o decreto 9.311, criando os primeiros cursos de Graduação em Odontologia nos estados da Bahia e no Rio de Janeiro.

Esse e outros fatores fazem do Brasil o país com mais profissionais no mundo. Em fevereiro de 2020, os dentistas brasileiros representavam cerca de 19% dos profissionais em todo o mundo.

Este profissional é essencial para a saúde da sociedade, afinal de contas, a boca desempenha diversas funções e é porta de entrada para muitos problemas sistêmicos que podem acometer o organismo.

O avanço dos estudos sobre os benefícios do uso da Cannabis medicinal pelo mundo também contempla o tratamento de patologias que acometem a boca e outras regiões que são especialidades dos cirurgiões-dentistas.

Benefícios da Cannabis medicinal na odontologia

A RDC 335/2020 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), promulgada em janeiro de 2020, e atualizada pela RDC 570/2021 estabelece os parâmetros e procedimentos para a prescrição de produto derivado da Cannabis para uso humano.

Com a redação dada pela norma, médicos passaram a poder requerer junto à agência reguladora o direito de receitar medicamentos à base de compostos da cannabis, visando o bem-estar de seus pacientes. 

Compostos medicinais da Cannabis têm sido usados para tratar, por exemplo, distúrbios temporomandibulares. Estes são distúrbios causados por problemas com os músculos da mandíbula ou das articulações ou o tecido fibroso que os une.

 

As pessoas podem ter dores de cabeça e sensibilidade dos músculos da mastigação ou podem ouvir sons de clique/estalo nas articulações da mandíbula.


Normalmente, os médicos ou dentistas podem diagnosticar essas doenças levantando o histórico e realizando um exame físico, mas, às vezes, é necessário um exame de imagem.

O tratamento geralmente envolve medidas recomendadas por médicos e de autoajuda, terapia com aparelho oral (tala) e alívio da dor.

Com maior frequência, a causa do distúrbio temporomandibular é a combinação da tensão muscular com problemas anatômicos nas articulações. Às vezes, há um componente psicológico.

Dessa forma, em muitas ocasiões os pacientes recebem polimedicação, com medicamentos altamente viciantes e que possuem efeitos colaterais importantes.

De acordo com estudos, o uso de compostos da Cannabis já tem apresentado resultados efetivos no gerenciamento de dores crônicas. Além disso, os mesmos compostos também têm apresentado eficácia comprovada na redução dos níveis de ansiedade

Nesse contexto, os compostos da Cannabis medicinal como CBD e THC podem ser excelentes aliados no tratamento de distúrbios temporomandibulares, agindo tanto na dor quanto no componente psicológico.

Contudo, o potencial odontológico da Cannabis medicinal não para por aí.  Um estudo recente analisa outras possibilidades.

A distribuição de receptores canabinóides na boca sugere que o sistema endocanabinóide pode ser um alvo para o tratamento de doenças bucais e dentais.

Mais recentemente, o interesse tem sido direcionado ao uso de Canabidiol (CBD), um dos vários metabólitos secundários produzidos pela cannabis sativa.

O CBD é um conhecido agente antiinflamatório, analgésico, ansiolítico, antimicrobiano e anti câncer, e como resultado, pode ter potencial terapêutico contra doenças como a síndrome da boca ardente, ansiedade odontológica, gengivite, bruxismo e possivelmente câncer oral.

Outros principais metabólitos secundários da Cannabis, como terpenos e flavonóides, também compartilham propriedades antiinflamatórias, analgésicas, ansiolíticas e antimicrobianas e também podem ter aplicações odontológicas e orais.

Apesar dos estudos estarem apenas começando, já se observa o grande potencial que os compostos da Cannabis podem ter em vários ramos da saúde.

 

REFERÊNCIAS:
Anvisa
Manual MSD
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25635955/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4604171/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34562980/

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

Matérias Relacionadas