CANNABIS MEDICINAL

Você sabia que existem diferentes tipos de Cannabis? Eles comprovam a versatilidade da planta e ampliam o seu uso na medicina.


A utilização da Cannabis medicinal aparece no tratamento de diversas enfermidades e com eficácia atestada por uma série de estudos científicos.


Não por acaso, a planta possui grande valor para a saúde.

Canabinoides são uma classe de compostos químicos que ativam os receptores canabinoides, proteínas que permitem a interação dessas substâncias com o metabolismo celular.

Mais especificamente com o sistema endocanabinoide, que atua na regulação e equilíbrio de uma série de processos fisiológicos de nosso corpo.

O termo canabinoides costuma ser usado para se referir aos fitocanabinoides, ou seja, os compostos encontrados nas plantas do gênero Cannabis.

Terpenos

Compostos produzidos naturalmente pelas plantas, os terpenos são os responsáveis pelos odores característicos de cada espécie vegetal. No caso da Cannabis, acredita-se que eles, em sinergia com os canabinoides, potencializem ou até mesmo diversifiquem os efeitos benéficos das plantas.

Descubra as principais informações sobre o funcionamento do sistema endocanabinoide e a sua relação com a saúde e o bem-estar.

O sistema endocanabinoide é um importante aliado da regulação e equilíbrio de uma série de processos fisiológicos no corpo humano.

Entre outras funções, ele oferece as condições naturais para que o organismo se favoreça das propriedades terapêuticas da Cannabis no enfrentamento de uma série de doenças.
efeito entourage

Nem tudo se resume aos canabinoides quando se fala em Cannabis medicinal. Ainda que o potencial terapêutico dos principais canabinoides THC e CBD apareçam constantemente nas pesquisas científicas, há muito a ser estudado nos mais de 400 compostos químicos da planta, cada qual com suas propriedades terapêuticas.

Regulamentação e legislação vigente: Cannabis Medicinal é legal desde 2015

Nos enquadramos na RDC nº 335/2020

Esta RDC define os critérios e os procedimentos para a importação de Produto derivado de Cannabis, por pessoa física, para uso próprio, mediante prescrição de profissional legalmente habilitado, para tratamento de saúde.

Perguntas Frequentes

Médicos aptos ao exercício da profissão no território brasileiro.
Não há nenhuma predefinição nem restrição quanto à especialidade do médico que vai prescrever o seu tratamento. Apenas que o profissional esteja legalmente exercendo sua função junto ao conselho profissional da classe.
É obrigatória a apresentação da prescrição médica para solicitar a autorização de importação de produtos à base de CBD e demais canabinoides.

A receita médica para produtos importados é a receita simples e deve conter obrigatoriamente:

  • nome do paciente;
  • nome comercial do produto, posologia (dose diária);
  • data;
  • assinatura;
  • número do registro e conselho de classe do profissional prescritor.  Caso queira, o médico pode citar o estudo científico para a patologia, mas não obrigatório.

Aproveite e leia nosso artigo:  Como prescrever Cannabis medicinal no Brasil

1 – O prazo para que a agência  autoriza a importação varia, pois depende do tipo de solicitação, bem como do número de solicitações recebidas, o prazo estimado normalmente é de dez dias.

2 – O prazo de validade da autorização da Anvisa é de 2 anos, para todas as autorizações concedidas a partir de 27 de janeiro de 2019;

Solicite o COA – teste de laboratório realizado por terceiros que atestam a quantidade de canabinoides, terpenos e isenção de materiais pesados. Aproveite e leia nosso artigo:  A importância dos teste de laboratórios independentes em produtos de Cannabis medicinal.

Apesar de ser seguro o uso da Cannabis Medicinal, não há relatos de morte pelo uso. Mesmo assim, podem ocorrer efeitos adversos leves que devem ser relatados para o médico para ajustes de dosagem.
Somente um médico especialista pode indicar a prescrição de um produto de Cannabis, bem como a posologia indicada para o tratamento da patologia do paciente.

Cada linha de produto tem a sua forma de armazenamento, e o tipo do produto também tem variações. A validade depende se o produto já foi aberto ou não. De qualquer forma estas as informações devem constar nas embalagems ou no folheto explicativo dos produtos.

No Brasil, recomendamos sempre ter em mãos a receita médica com o mesmo nome do produto que está de posse, a autorização da Anvisa e um documento com foto para identificação do nome que consta na receita. No caso de viagens fora do Brasil, consulte a legislação vigente do país.